ANO VIII - 2007/2014 - www.curiosidadescatolicas.blogspot.com - Um Blog Católico Apostólico Romano - Produzido em Volta Redonda - R. Janeiro - Brasil.

Seja bem-vindo. Hoje é

29 de mar de 2013

A Sexta-feira Santa


Conheça mais as cerimônias:

Na Sexta-feira Santa recorda-se a Paixão e morte do Salvador. Todas as funções deste dia estão repassadas de luto pesado, pois é dia consagrado ao memorial da morte de Nosso Senhor.

Os paramentos negros. A omissão do Dominus vobiscum. A falta de instrumentos de música. Nenhum toque de sinos. O altar, frio e despido. Desocupado e aberto, o tabernáculo. Na frente dele, uma cruz com véu negro. Nos candelabros, há velas de cera amarela como nos dias de funerais. Em tudo reina a tristeza, a desolação profunda.
É, para a Igreja, um dia especialíssimo, portanto, de grande silêncio, oração, penitência, sobretudo jejum e abstinência de carne. Nesse dia não há ofertório e nem consagração, mas faz-se a comunhão eucarística.
A celebração da Paixão do Senhor é constituída de três partes: A liturgia da palavra, a adoração da cruz e a comunhão eucarística.
Liturgia da Palavra
Às três horas da tarde inicia-se a celebração da Paixão do Senhor. O celebrante e os ministros sagrados são paramentados de preto em sinal de grande luto. Chegando ao pé do altar, prostram-se, e rezam em silêncio por alguns instantes. Esta atitude humilde é a expressão da mágoa imensa que lhes acabrunha a alma com a evocação do grande mistério do Calvário. Durante este tempo, estende-se no altar uma só toalha, recordando o Sudário que serviu para envolver o Corpo de Nosso Senhor. Então, o sacerdote sobe os degraus do altar e oscula-o. Estando todos sentados, são feitas as duas primeiras leituras com o respectivo salmo. Logo a seguir, é cantada a Paixão segundo São João, da mesma forma que foi feito no domingo de Ramos. Quando chega na parte em que diz que Nosso Senhor entregou o seu espírito, todos ajoelham, e ficam assim por alguns instantes.
Canta-se a Paixão de Jesus Cristo segundo o evangelho de São João, porque ele é o quarto evangelista e porque, ficando debaixo da cruz, foi testemunha ocular da crucificação. Por isso convém que seja ouvido neste dia.
Durante muitos séculos, os fiéis procuravam, nesse dia, não fazer barulho e, especialmente, evitavam bater em algo, evitando a sensação daquele ruído terrível do martelo cravando Jesus na Cruz. Nada de canto, de música, de sinais de alegria, de recreação. Trabalhava-se o mínimo possível, só naquilo que era de extrema necessidade. O tempo era para oração, leitura, meditação, avaliação da vida, partilha do sofrimento de Jesus.
Oração Universal
Acabado o canto da paixão, começa o celebrante as Orações conhecidas por Admoestações porque o prelúdio consta, para cada uma, de advertência, a modo de prefácio em que o sacerdote diz o objeto da prece a seguir. São nove estas orações, e alguns julgam ser de origem apostólica. O celebrante reza:
1º – Pela Santa Igreja;
2º – Pelo papa;
3º – Por todas as ordens e categorias de fiéis;
4º – Pelos catecúmenos;
5º – Pela unidade dos cristãos;
6º – Pelos judeus;
7º – Pelos que não creem em Cristo;
8º – Pelos que não creem em Deus;
9º – Pelos poderes públicos;
10º – Por todos os que sofrem provações.

A Igreja reza nessas rogações, pelos que nunca pertenceram ou já não pertencem ao seu grêmio. O motivo é para não esquecermos que o Salvador morreu por todos os homens, e para implorar em benefício de todos, os frutos da sua Paixão.
Entre cada uma das orações que são feitas, o diácono diz: Flectamus genua. Então todos se ajoelham por alguns instantes, e rezam em silêncio, até que o mesmo diácono diz: Levate, então todos se levantam.
Adoração da Santa Cruz
Na sexta-feira santa adora-se solenemente a Cruz, porque, tendo sido Jesus Cristo pregado na Cruz, e tendo morrido nela naquele dia, a santificou com o seu Sangue.
A cerimônia da adoração da cruz, tem a sua origem na veneração da verdadeira cruz conservada em Jerusalém, por volta do século IV. A cruz se colocava numa mesa coberta com um pano branco. Os fiéis veneram-na, tocam-na com a fronte e os olhos; não o podiam fazer com a mão nem com a boca. Pois um devoto arrancou com os dentes uma relíquia da santa cruz. Agora a imagem do Crucificado é colocada sobre um pano roxo estendido nos degraus do altar ou do coro.
Eis o rito: O celebrante tira a casula e, ficando ao pé do altar, descobre o alto da cruz e canta: “Ecce lignum Crucis” (Eis o lenho da Cruz (, do qual pendeu a salvação do mundo)). Os ministros que lhe assistem, continuam com ele: “Venite, adoremus” (Vinde adoremo-lo). Ao mesmo tempo, prostram-se todos. O celebrante, não. Este, depois, vai para o lado direito do altar; descobre o braço direito da cruz, mostrando-o, e repete em tom mais elevado: “Ecce lignum Crucis”, etc. Enfim, alcançou o meio do altar. Descobre completamente a cruz, e, ergue-a e canta, terceira vez, em tom ainda mais alto: “Ecce lignum Crucis”, etc. Então, o oficiante deposita a cruz nos degraus do altar, para que seja adorada por todos os clérigos e fiéis presentes. O canto: Ecce lignum Crucis é usado desde o século IX-X.
É desnudada a cruz lembrando que os judeus desnudaram o Filho de Deus. Esta impressionante cerimônia se faz em três atos para significar três atos principais de irrisão cruel da vítima da sanha judaica:
1º Quando, no átrio do sumo sacerdote, cobriram a santa face de Nosso Senhor, e lhe deram bofetadas. Por isso a primeira vez não se descobre a santa face do crucifixo (Lc 23, 64).
2º Quando o Rei da glória, coroado de espinhos, foi escarnecido pelos soldados com genuflexão e as palavras: “Ave, rei dos Judeus”. Por isso na segunda vez se mostra a santa cabeça e a santa face do Rei do universo (Mt 27, 27-30).
3º Quando o Filho do Todo-poderoso, despojado dos seus vestidos, estava crucificado e foi insultado com a blasfêmia: “Ah! Tu podes destruir o templo e outra vez o edificar; salva-te!” Por isso, na terceira vez o crucifixo se mostra todo descoberto (Mt 27, 40).
Durante a adoração da Cruz, cantam-se as antífonas chamadas “Impropérios” (do latim improperium, que quer dizer “censura”), porque encerram repreensões dirigidas aos judeus pela voz dos profetas. Cada antífona destas enumera um determinado benefício de Deus, a favor do povo judaico, e põe em face a correspondente ingratidão do mesmo povo.
Missa dos Pressantificados
Antigamente chamava-se essa terceira parte da celebração da Paixão do Senhor, “Missa dos Pressantificados”:
1 – Missa. Na verdade, não é muito próprio o termo, pois não há consagração e, portanto, sacrifício. Deram-lhe, no entanto, este nome, porque repete certo número dos ritos da missa.
2 – dos Pressantificados. Por causa da Santíssima Hóstia, consagrada na Missa da Quinta-Feira Santa. O vocábulo Pressantificados significa, pois, dons santificados, consagrados previamente.
Estando a acabar a Adoração da Cruz, acendem-se as velas do altar e vai-se, em silêncio, em procissão, à capela aonde se encontram as hóstias consagradas. Voltam, trazendo a Santa Reserva, com o canto, não já do Pange língua que e hino de júbilo, mas do Vexilla Regis, que é o hino da Cruz.
Quando a procissão regressou, o Celebrante coloca sobre o altar o Santíssimo Sacramento. Depois, diz Orate frates, etc; mas ninguém responde,e logo vem o Pater com o respectivo prefácio. Então, ergue na patena a Sagrada Hóstia, para os assistentes adorarem. Faz a fração como na missa ordinária, diz a terceira oração antes da comunhão e o “Domine non sum dignus”. Finalmente, comunga, toma as abluções e retira-se em silêncio. Recitam-se agora as Vésperas, sem canto, sem luzes, querendo mostrar, com isso, que se apagou, morrendo na cruz, a luz do mundo, Nosso Senhor Jesus Cristo.
O celebrante diz: In spiritu humilitatis… et sic fiat sacrificium. Nesta oração a palavra “sacrificium” significa hoje o sacrifício espiritual da penitência (Sl 50). Por isso, o celebrante pode dizer: “Orate frates… ut meum sacrificium (de penitentia)…” Mas o povo não pode responder: “Suscipiat… de manibus tuis”, porquanto estas palavras significam o sacrifício sacramental, o qual não se oferece.
O celebrante não diz: Pax Domini, nem a primeira oração antes da comunhão, porque não se dá a paz no dia em que Nosso Senhor foi repelido pelos judeus inimigos com o grito: “Não temos rei”.
O celebrante não reza: “Haec commixtio”, nem a segunda antes da comunhão, nem Quid retribuam, Corpus tuum, Placeat, porque nestas orações se menciona ou o Santíssimo Sangue, que não está no altar, ou o sacrifício eucarístico, que não se oferece.
O celebrante não diz: Dominus vobiscum, porque o único sacerdote, Jesus Cristo, foi morto e não pode mais falar, e não está mais conosco.
Por Emílio Portugal Coutinho, para Gaudium Press

27 de mar de 2013

Para nos salvar Também por nós foi crucificado…


Na Semana Santa do Ano da Fé somos convidados a confrontar-nos com os vários “Mistérios da Fé” celebrados nesses dias abençoados. Pensando bem, boa parte da nossa Profissão de Fé (Credo) está relacionada estreitamente com as celebrações da Semana Santa e da Páscoa. É um motivo a mais para que a vivamos intensamente, deixando-nos envolver por Deus, que veio ao nosso encontro de maneira tão misericordiosa salvadora.

Em nossa fé cristã católica professamos que Deus enviou ao mundo seu único Filho, Jesus Cristo para nos salvar. Em tudo, o Filho assumiu a nossa condição humana, menos no pecado; São Paulo bem recorda que o pecado nunca dominou sobre Ele. Salvar, significa dar sentido pleno à nossa existência e a participação na felicidade completa; isso somente Deus pode nos dar. O Filho, feito homem, acolheu a todos nós em sua santa humanidade, mostrou a luz de Deus para que possamos viver iluminados pela verdade e ele mesmo se fez para nós o caminho, a verdade e a vida.
Poderia Deus realizar o seu desígnio a nosso respeito – de vida plena para todos – sem que o Filho passasse pela contradição da condição humana, o sofrimento e a morte, como experimentam todos os descendentes de Adão e aqueles que procuram nesta vida ser fiéis a Deus? Queria Deus Pai o sofrimento de seu Filho? Este é um grande mistério e não cabem aqui respostas fáceis e superficiais. Mas é certo que Deus não quer o sofrimento para ninguém, muito menos o quis para seu amado Filho.
O fato é que Jesus Cristo, na sua condição humana, permaneceu fiel a Deus e à sua missão, não obstante as ameaças e perseguições. E Deus Pai aceitou esta radical “obediência” de Cristo: “obediente até à morte e morte de cruz” (Fl 2,8). Nessa total fidelidade a Deus, Ele nos deu o exemplo, para que sigamos os seus passos e permaneçamos fiéis a Deus sempre; nada deve ser colocado acima dessa total fidelidade a Deus. Ao meu ver, o mistério da cruz de Cristo só se explica pela sua total comunhão com Deus Pai, que teria sido rompida se Jesus entrasse no jogo das conveniências humanas ou do medo. Ele não seguiu o “politicamente correto” para salvar a própria pele. Muitíssimos, a seu exemplo, também enfrentaram todo tipo de desprezo e discriminação por causa da “verdade”. Tantos morreram mártires, como o próprio Jesus.
Nossa fé católica em Jesus Cristo não nos permite escolher apenas algum aspecto de sua pessoa ou de seu ensinamento, que mais nos agrade. E a Igreja está no mundo para testemunhar a fé completa sobre Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador. É a fé pascal em Cristo ressuscitado, que triunfou sobre o pecado, o ódio e a morte; somos as testemunhas de sua ressurreição e isso constitui um ousadíssimo aspecto de nossa profissão de fé.
Mas isso não nos pode levar a esquecer a cruz de Cristo. É uma tentação insidiosa, apresentar ao mundo apenas o Cristo glorioso, sem referência ao Cristo crucificado. A tendência humana de fugir da cruz pode levar à busca de uma religião fácil e “politicamente correta”, onde só há “vantagens” e nenhuma escolha difícil ou renúncia. Jesus não ensinou um Cristianismo sem necessidade de conversão, sem cruz, sem colocar o reino de Deus como centro de referência para a vida do homem e do mundo. O seu caminho para a vida plena e para a participação na glória de Deus passa pela cruz.
O papa Francisco, na sua primeira missa com o colégio Cardinalício no dia 14 de março, ainda na Capela Sistina, observou que a Igreja, deixando de lado Jesus Cristo crucificado, tornar-se-ia apenas uma “ONG piedosa”… Falando aos jovens, no Domingo de Ramos, convidou-os a tomarem, com ele, o caminho para a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro e encorajou-os a não terem vergonha da cruz de Cristo e a abraçarem com coragem a própria cruz, no seguimento de Cristo.
Quando professamos nossa fé, lembremos sempre que a graça de nossa “liberdade de filhos de Deus” custou “um preço muito alto” (cf 1Cor 6,20): nada menos que o sofrimento, o sangue derramado e a morte do Filho de Deus feito homem! Celebrando a Páscoa, agradeçamos por tão grande presente! E em tudo sejamos fiéis a Deus também nós, como foi nosso Salvador.
Por Cardeal Odilo Pedro Scherer – Arcebispo de São Paulo

10 de mar de 2013

O que é um Papa?


Papa é o título dado ao Bispo e Patriarca de Roma, supremo líder espiritual da Igreja Católica Apostólica Romana, e chefe do Estado da Cidade do Vaticano.
O primeiro Papa foi São Pedro, a quem Jesus Cristo disse: “Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja. A ti darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”(Mateus, 16, 13-20).
o que é um Papa
Como Pedro terminou seus dias em Roma, no seio da Igreja Romana, dando aí o seu supremo testemunho de amor a Nosso Senhor, derramando seu sangue por Cristo, os Bispos de Roma são sucessores de Pedro. Como Pedro, a missão deles é sempre recordar, custodiar e proclamar a experiência fundamental da nossa fé: Jesus morto e ressuscitado é o Cristo, o Filho do Deus vivo, o Salvador! O Papa é, então, Sucessor de Pedro como Bispo da Arquidiocese de Roma.
O Sumo Pontífice exerce também um poder político como Chefe de Estado da Cidade do Vaticano, donde detém os poderes legislativo, executivo e judicial. Nos dias de hoje, o papel político do Papa traduz-se no exercício de um cargo cerimonial, religioso e diplomático de grande importância, pois, ao mesmo tempo em que é soberano do menor país do mundo, também é líder de uma religião com bilhões de seguidores.
Vale lembrar que ninguém se faz Papa, não existe “candidatos” eleitos em votação democrática. É Deus quem o escolhe para colocá-lo à frente de Sua Igreja por meio de um Conclave (votação secreta dos cardeais com menos de 80 anos). O cargo é vitalício, e na história da Igreja, apenas quatro Pontífices renunciaram à Cátedra de Pedro. Bento XVI entra para a história como o 5º a renunciar como Bispo de Roma
O Papa, junto com seus sucessores, os bispos, são o fundamento visível da unidade da Igreja Católica. É ele quem deve confirmar os irmãos na fé, com espírito de serviço e caridade, pois esta foi a missão confiada a ele pelo próprio Jesus: “Apascenta as minhas ovelhas” (João 21, 17).
O Papa dispõe, para os católicos, de autoridade religiosa em matéria de fé e moral. É igualmente quem aprova e, geralmente, preside as cerimônias de beatificação ou canonização, assim como nomeia os cardeais. O Concílio do Vaticano I, de 1869-1870, definiu o dogma da “Infalibilidade Papal”, pelo qual os pronunciamentos oficiais do Papa, em unidade com o colégio universal dos bispos,  a respeito da fé e moral não apresentam possibilidade de erro.
Seguir o Sumo Pontífice é a certeza de estar em comunhão plena com Cristo, por isso se diz que o Papa é fundamento visível da unidade.

4 de mar de 2013

Quem é Deus? Padre explica o significado de Deus na vida do homem


Arquivo
''O mais importante não é sabermos logicamente se Deus existe ou não. O mais importante é nós sabermos o que significa ter um Deus'', diz pe. Paulo
Neste Ano da Fé, instituído pelo Papa Emérito Bento XVI, a grande proposta é redescobrir a fé em Deus, sabendo dar razões para a crença que se professa. Mas quem é Deus, como o ser humano pode ter certeza de sua existência?

Para quem ainda não tem uma fé madura, às vezes torna-se complicado entender a existência de Deus, uma vez que, materialmente falando, não se pode vê-Lo e nem tocá-Lo. Mas para além dessas questões, o padre e teólogo Paulo Ricardo de Azevedo Júnior, da arquidiocese de Cuiabá, enfatiza que o mais importante é entender o que significa ter um Deus, muito mais do que compreender logicamente a Sua existência.

“O mais importante não é nós sabermos logicamente se Deus existe ou não. O mais importante é nós sabermos o que significa ter um Deus, ou seja, se Deus existe, eu sou para Ele, Ele é o meu Senhor, e eu não existo para mim”.

Esse é um dos motivos, segundo o sacerdote, pelo qual Deus é uma realidade que o ser humano tem dificuldade de aceitar. Ele acredita que a dúvida acerca da existência de Deus, na verdade, não é pelo fato de Deus ser inatingível através de uma reflexão filosófica, mas porque a Sua existência comprova que o ser humano não é o Senhor da própria vida.

“Então o que significa Deus para mim: significa que eu não sou Deus e que eu devo viver para Ele. Aqui está a grande mensagem, a mensagem do cristianismo que sempre quer, em primeiro lugar, que o ser humano saia da idolatria, saia da posição de se colocar no lugar de Deus”.

Deus no imaginário de cada um


A compreensão que cada um tem de Deus é algo muito particular, bem como as referências adotadas no imaginário para se referir a Ele. Algumas pessoas associam Deus a uma pessoa que está no Céu, outras a um espírito, a uma voz no universo. Padre Paulo explica que, na verdade, Deus, pelo seu próprio conceito, não pode ser equiparado a nada daquilo que é experiência humana. Ele compara a impossibilidade da mente humana captar Deus àquela de um copo conter todo o oceano.

“Um Deus verdadeiro, exatamente por ser difícil de ser compreendido, é a prova de que Ele é Deus verdadeiro. O caminho do esforço humano para chegar até Deus é sempre difícil”.

Ele enfatiza que o caminho a ser percorrido, então,  para chegar a essa compreensão sobre quem é Deus é exatamente o contrário: Deus é que vem até o homem. “No cristianismo, nós sabemos que Deus veio até nós. Jesus não é uma confecção da mente humana, mas nós vemos que é Deus que se rebaixa para se tornar compreensível e fazer com que o homem seja capaz de fazer uma experiência verdadeira de Deus”.

Revelação e a inteligência

De que forma pode, então, o ser humano, acolher a revelação de Deus, reconhecendo-O como criador de todas as coisas? Segundo padre Paulo, a própria inteligência humana leva à dedução de que a ordem do universo só pode ser fruto da inteligência, porque o acaso só gera desordem. E essa é uma dedução filosófica que todo ser humano de boa vontade pode alcançar. Mas ele destaca uma curiosidade que também é importante de ser esclarecida, que é o fato de Deus, em sua onipotência, não apresentar-se face a face, de uma forma que o homem não tenha mais dúvida alguma de sua existência.

“A resposta é simples: se Deus se apresentasse ao homem, o poder de atração e de convencimento da verdade que é Deus tiraria a nossa liberdade e o homem não seria mais livre para dizer sim a Deus e amá-Lo ou para rejeitar Deus e virar as costas a Ele. Deus quer preservar a nossa liberdade, porque o que Deus espera de nós é amor e o amor só existe quando ele é livre”.

E quanto ao mistério da Santíssima Trindade, sobre alguma dúvida que ainda se possa ter sobre Deus trino Pai, Filho e Espírito Santo, o sacerdote destaca que esta foi uma revelação que o homem conheceu através de Jesus Cristo.

“Esta realidade escondida no mistério eterno de Deus só pode ser conhecida em Jesus Cristo. Não é possível ter acesso à trindade através de um conhecimento nem científico-natural nem filosófico. Simplesmente uma verdade que deve ser conhecida por Revelação, e não por raciocínios humanos”.

Jéssica Marçal
Da Canção Nova

2 de mar de 2013

Entenda o que acontece durante a Sé vacante


O Trono de Pedro está vago! E agora?

Saiba o que acontece durante a Sé vacante, o que os católicos devem fazer neste período e como fica a menção do Papa durante a Missa
André AlvesDa Canção Nova
Entenda o que acontece durante a Sé vacante
“A Igreja está unida [...] e implora de Deus o novo Papa como dom da sua bondade e providência”, diz a Constituição Universi Dominici Grecis (Foto: Arquivo)
A partir das 20h (Roma) desta quinta-feira, 28, a Igreja Católica iniciou seu período de vacância, devido à renúncia do Sumo Pontífice, Bento XVI, anunciada no último dia 11. A Sede vacante é o termo oficial da Igreja utilizado pra denominar o período em que a função de Papa fica vaga.
Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis trata das normas e orientações para este período de vacância, assim como da eleição de um novo Papa. A carta foi escrita pelo Papa Beato João Paulo II, em 2 de fevereiro de 1996.
De acordo com o documento, a Sede vacante deve durar exatos quinze dias, podendo ser estendidos para vinte, em caso de extrema necessidade. Esse prazo é oferecido para que os cardeais resididos em diversas partes do mundo possam se deslocar à Roma, a fim de participarem da reunião que elege o sucessor do último Papa – o Conclave.
No entanto, a Santa Sé publicou nesta segunda-feira, 25, a carta apostólica em forma de Motu Proprio (de iniciativa própria) do Papa Bento XVI com algumas modificações relativas à eleição do Papa. Entre as alterações, está a possibilidade, facultada aos cardeais, de antecipar o Conclave.
Segundo o mesmo Motu Proprio, a decisão pelo Colégio Cardinalício, deve considerar que todos os cardeais tenham chegado à Roma para o início da eleição papal. O mesmo documento dá ainda a possibilidade de se prolongar o início da eleição por alguns dias, se houver motivos graves.
O governo da Igreja
A Constituição explica que, durante o período de vacância, a Sé Apostólica fica sob o governo do Colégio dos Cardeais somente para o despacho dos assuntos ordinários ou inadiáveis. Ao mesmo tempo, os cardeais não têm poder ou jurisdição alguma no que se refere às questões da competência do Sumo Pontífice.
O mesmo documento também destitui dos cargos de presidência todos os cardeais que estejam como responsáveis por Pontifícios Conselhos, assim como o Cardeal Secretário de Estado, Cardeais Prefeitos e membros de tais conselhos.
De acordo com a Universi Dominici Grecis, cinco cardeais continuam desempenhando seus trabalhos durante a Sé vacante: o chamado Camerlengo da Igreja Romana, o Penitenciário-Mor, o Cardeal Vigário Geral para a diocese de Roma, o Cardeal Arcipreste da Basílica do Vaticano e o Vigário Geral para a Cidade do Vaticano. Estes continuam a despachar os assuntos ordinários, submetendo ao Colégio dos Cardeais o que deveria ser submetido ao Papa. As demais funções continuam no que é da sua jurisdição.
Os fiéis católicos e o período de vacância
A Constituição Universi Dominici Grecis considera que a vacância e o Conclave não são fatos isolados do Povo de Deus e reservado apenas ao Colégio dos eleitores. Segundo a mesma, trata-se, em certo sentido, de uma ação de toda a Igreja. Por isso, os fiéis estão convocados a se unirem em orações pelos acontecimentos que permeiam a Fé Católica durante esse período.
O parágrafo 84 da Constituição, cita: “Durante a Sé vacante, e sobretudo no período em que se realiza a eleição do Sucessor de Pedro, a Igreja está unida, de modo muito particular, com os Pastores sagrados e especialmente com os Cardeais eleitores do Sumo Pontífice, e implora de Deus o novo Papa como dom da sua bondade e providência.”
Sendo assim, João Paulo II escreve: “Estabeleço, portanto, que, em todas as cidades e demais lugares, ao menos naqueles de maior importância, após ter sido recebida a notícia da vacância da Sé Apostólica, [...] se elevem humildes e instantes preces ao Senhor (cf. Mt 21,22; Mc11,24), para que ilumine o espírito dos eleitores e os torne de tal maneira concordes na sua missão, que se obtenha uma rápida, unânime e frutuosa eleição, como o exigem a salvação das almas e o bem de todo o Povo de Deus”.
A menção do Papa durante a Missa
As orações eucarísticas rezadas durante as Missas mencionam o nome do Santo Padre, assim como, o do Bispo diocesano. Na Sé vacante, a orientação da Igreja é que o nome do Pontífice seja omitido, rezando apenas pelo Bispo diocesano. Veja como exemplo a Oração Eucarística II do Missal Romano:
“Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, [omite-se: ‘com o Papa...’ e segue-se] com o nosso Bispo (N.), e todos os ministros do vosso povo.”
“A menção do Papa na liturgia não tem significado somente de súplica por ele, mas também de comunhão, de união da Igreja com o Santo Padre. Assim só se pode celebrar a Santa Missa porque há comunhão com o Bispo de Roma”, explicou padre Paulo Ricardo em seu site pessoal.
O período de vacância segue até que, da “varanda das Bençãos” – no centro da Basílica de São Pedro, no Vaticano – se ouça o anúncio: Habemus Papam (temos um Papa). A data para o Conclave ainda não foi divulgada, mas com o início da Sede vacante, os cardeais já começam a trocar ideias sobre o início da votação.
Veja mais informações sobre a Sé Vacante no vídeo com padre Paulo Ricardo, sacerdote da Arquidiocese de Cuiabá

1 de mar de 2013

Camerlengo e Decano


No dia 11 de fevereiro de 2013, o Papa Bento XVI anunciou sua renúncia à Sede de São Pedro, que ficou vacante a partir de 28 de fevereiro, às 20h (16h em Brasília); então, deverá ser convocado o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.
Em vista disto, João Paulo II, em 22 de fevereiro de 1996, no parágrafo 27 da Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis (UDG), estabeleceu para reger o Conclave um documento promulgado por Paulo VI: Ordo Rituum Conclavis (livro de rituais, Missas e orações próprias para o Conclave).
Segundo Monsenhor Juan Arrieta, Secretário do Conselho Pontifício para os Textos Legislativos, tanto o Ordo quanto a UDG foram pensados para o caso da morte de um Papa e não de sua renúncia (a UDG indica quinze dias para a convocação do Conclave a partir do início da Sé vacante, considerando ainda os funerais do Pontífice), por isso, fez-se necessário que Bento XVI assinasse, em 25 de fevereiro de 2013, um Motu Proprio, concedendo aos cardeais a faculdade de antecipar o início do Conclave se todos eles estiverem presentes.
Cardeal Bertone
Cardeal Tarcísio Bertone
A partir da morte ou, como neste caso, da renúncia do Santo Padre, entra em cena o “Camerlengo”, um cardeal do Colégio de Cardeais, que assume, temporariamente, a direção da Igreja, recebendo os atributos administrativos até que o novo Sumo Pontífice seja eleito, porém seus poderes são reduzidos (ele não pode tomar decisões próprias do Sucessor de Pedro: nomear bispos, criar e unir dioceses, escrever encíclicas etc.). Tem ainda a função de determinar, formalmente, a morte do Papa e, logo após, notificar os oficiais da Cúria Romana e o Decano do Colégio dos Cardeais; em seguida, começar os preparativos para o Conclave e o funeral do Papa se for o caso. O atual Camerlengo é o Secretário de Estado, o Cardeal Tarcísio Bertone, nomeado em 04 de abril de 2007, por sua Santidade, o Papa Bento XVI.
angelo
Cardeal Angelo Sodano
Outra figura muito importante durante este período de vacância da Santa Sé é o “Decano”, o presidente do Colégio Cardinalício (posto que já foi ocupado pelo Cardeal Joseph Ratzinger). É de sua responsabilidade convocar e presidir o Conclave que elegerá o novo Papa. É também de sua competência comunicar ao corpo diplomático credenciado à Santa Sé e aos chefes de Estado das respectivas nações a morte do Pontífice e, ainda, ordenar o recém-eleito Papa se ele ainda não for bispo (cân. 355); porém, na prática, há séculos o eleito tem sido um cardeal. Será também ele que perguntará ao eleito como novo Sucessor de Pedro se este aceita sua eleição canônica como Sumo Pontífice e com qual nome quer ser chamado. O atual decano, eleito em 30 de abril de 2005 pelo Bento XVI, é o Cardeal Angelo Sodano.
Enquanto a Igreja Católica do mundo inteiro espera ansiosamente ouvir: Annuntio vobis gaudium magnum: habemus Papam!” (Anuncio-vos uma grande alegria: temos um Papa!) e receber do novo Romano Pontífice a bênção Urbi et Orbi, acompanhemos os cardeais com nossas orações.
Pe. Evandro Luís Marques Landri
Comunidade Canção Nova

Veja também

REFLITA

Ter uma vida positiva é ter consciência que o universo precisa de você; é lutar pelos SONHOS de maneira determinada; é crescer sem precisar diminuir ninguém; é ter a verdade como um principio vital; é usar o poder da ousadia construtiva; é saber agradecer e perdoar, fraterna e totalmente; é priorizar a família; é viver cada dia de uma vez, sendo alegre no presente e otimista no futuro; é respeitar o próprio corpo; é se preocupar com os mais carentes; é preservar a natureza; é não se abater nos momentos de dor; é jamais perder a esperança; é ter auto estima; é ser rico em humildade; é sempre fazer a sua parte...Pois quando você faz a sua parte tenha certeza de que Deus fará a parte dele.

BLOG'S DO IVSON

SEGUIDORES